Notícias

Especialistas da Radix participam da Semana da Computação na UFRJ

Site Samira Ramalho comenta sobre a posição de mulheres no mercado de trabalho, durante mesa redonda na Semana da Computação da UFRJ

Na última semana, a Radix participou da 4ª Semana de Computação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O evento foi gratuito e promoveu palestras, debates, sorteios, workshops, minicursos e exposições sobre as áreas de Tecnologia e Computação. Além de a Radix patrocinar o encontro, três colaboradores da empresa participaram de mesas redondas e um colaborador ministrou um minicurso. 

A colaboradora Samira Ramalho, formada em ciência da computação, foi uma das convidadas da mesa redonda “mulheres e tecnologia”. Além dela, outras seis mulheres participaram da discussão. Os assuntos abordados foram em torno do motivo que as fez escolher uma carreira atrelada à tecnologia, das experiências constrangedoras que já passaram simplesmente por serem mulheres e do baixo número de meninas inscritas nos cursos de Computação, em especial da UFRJ.

- Ser mulher não é um caminho fácil. Não basta só querer conquistar posições de sucesso no mercado de trabalho, porque vivemos numa sociedade preconceituosa. Temos que provar o tempo todo que somos capazes. É necessário um incentivo para haver igualdade salarial e de tratamento entre homens e mulheres, e discussões como essa são importantes – diz Samira, comentando ainda sobre a Radix: – Hoje, somente no andar onde trabalho, quatro mulheres negras ocupam cargos de liderança. Isso já é um ótimo começo.

A mesa redonda “acessibilidade na Computação” recebeu quatro debatedores. O coordenador de projetos da Radix, Leonnardo Campos, foi um dos convidados. Todos falaram sobre suas experiências profissionais e pessoais relacionadas à acessibilidade. O ponto fundamental da discussão foi dar acesso às pessoas usando a tecnologia.

– Eu não vejo no mercado a devida atenção para pessoas com deficiência. Não dá para colocar todas as pessoas dentro de uma caixa e tratar todos iguais – comenta Campos.

Logo após, Fausto Junqueira, formado em ciência da computação, ministrou um minicurso sobre microserviços. Quem assistiu à palestra pôde conhecer os desafios e benefícios da ferramenta, hoje muito usada no mercado.

– Estou aqui porque o meu intuito é retribuir um pouco do que aprendi. Microserviço pode ser um aliado se usado da forma correta – expôs Junqueira.

Já a mesa redonda “mercado e suas tecnologias” aconteceu no dia seguinte, 29, com Daniel Lima, também profissional de ciência da computação. Seis especialistas da área participaram da discussão e abordaram quais tecnologias estão em alta no mercado, as competências que as empresas procuram em um profissional e a importância da comunicação interpessoal.

– O lado técnico é muito importante, mas ele sozinho não garante tudo. O mercado tem absorvido profissionais que estão dispostos a aprender rapidamente, mas que também sabem se portar e se comunicar. É preciso se atualizar constantemente para não perder as tendências tecnológicas e saber lidar com as pessoas ao nosso redor – explica Lima.

 

Confira fotos abaixo:

Leonnardo Campos durante mesa redonda "acessibilidade na Computação"

 

Fausto Junqueira dá curso sobre Microserviços

 

Daniel Lima em mesa redonda "mercado e suas tecnologias"